Home>Graduação>Psicologia - Todas>Campo Grande>Graduação em Psicologia - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
 

Graduação em Psicologia

Método: Presencial
Locais Disponíveis:
Opiniões:
Opiniões (4)
Loading...

Solicite informação sem compromisso
Universidade Católica Dom Bosco

Graduação em Psicologia - Campo Grande - Mato Grosso do Sul

Nome
Sobrenome
E-mail
Telefone de Contato
DDD Ex: 14
 
 
 
 
Teléfono Fijo Ej: 24344444
 
 
 
 
Estado
Cidade
CPF
Perguntas
Para enviar a solicitaçao, você deve aceitar a política de privacidade
* Campos obrigatórios

Em breve um responsável da Universidade Católica Dom Bosco, entrará em contato contigo para mais informações.
Por favor, preencha todos os campos corretamente

Análise da Educaedu

Max A.
Graduação em Psicologia
  • Modalidade

    O curso de Graduação em Psicologia ocorre presencialmente.

  • Duração

    O número de horas não foi divulgado

  • Certificado Oficial

    O aluno receberá um título de Graduação em Psicologia

  • Considerações

    O objetivo principal do curso é formar academicamente o aluno, adequando-o às necessidades de saúde da população de forma efetiva gerando respostas às necessidades sociais dos indivíduos.
    O curso conta com um corpo docente de excelência, que irá oferecer o melhor ensino com o intuito de formar profissionais capazes de atender a demanda do mercado.

  • Dirigido a

    A todos os interessados na área.

  • Área de atuação

    O profissional deverá atuar em consultórios públicos ou privados.

Gostaria de saber mais sobre esse curso?

Graduação em Psicologia - Campo Grande - Mato Grosso do Sul Comentários sobre Graduação em Psicologia - Campo Grande - Mato Grosso do Sul
Conteúdo:
Psicologia

Concepção

- Justificativa da oferta do curso (demandas sociais e historicidade)
- Perfil do Curso (Concepção e Princípios, Proposta norteadora para construção da grade curricular)

- Justificativa da oferta do curso

1. As necessidades sociais do curso de Psicologia da UCDB no Estado de Mato Grosso do Sul.

  A regulamentação da profissão de Psicólogo através da promulgação da Lei 4119, de 27 de agosto de 1962, foi seguida por ato do Conselho Federal de Educação, que através do Parecer 403, de 1962, fixou o currículo mínimo e a duração do curso de Psicologia que passou a vigorar no ano seguinte determinando funções privativas do psicólogo e possibilitando a obtenção de títulos de Bacharelado, Licenciatura e Formação de Psicólogo. Este fato pressupõe uma demanda da sociedade brasileira naquele momento histórico, já que desde o início do século passado eram conhecidas e exercidas as chamadas "práticas psicológicas", cujo saber era ministrado através de outras áreas do conhecimento como a Teologia, o Direito, a Medicina, a Pedagogia, Filosofia e cujos pressupostos científicos e técnicos referiam-se ao desempenho da Psicologia enquanto Ciência e Profissão principalmente na Europa e posteriormente também nos EUA.

Desde então a formação e atuação do Psicólogo no Brasil se realiza conforme o espírito da lei, para a prática generalista, à medida que o profissional psicólogo é habilitado para atuar em qualquer área da Psicologia. Vinte e três anos após a regulamentação, o Conselho Federal de Psicologia elaborou o primeiro documento para integrar o Catálogo Brasileiro de Ocupações do Ministério do Trabalho, onde se identificam as seguintes áreas de atuação: Psicólogo Clínico (onde já se vêem descrições de atividades típicas do que se vem denominando Psicologia Hospitalar ou Psicologia da Saúde), Psicólogo do Trabalho (e não mais portanto Psicólogo Industrial ou Industrialista), Psicólogo do Trânsito, Psicólogo Educacional, Psicólogo Jurídico (ainda sem as atividades típicas do que se está denominando Psicologia Militar), Psicólogo do Esporte, Psicólogo Social e Professor de Psicologia (segundo grau e superior). O Conselho Federal de Psicologia reconhece ainda áreas de especialidades e oferece informações sobre as expectativas com relação a estas atuações.

Percebe-se, portanto, que no decorrer destes 46 anos, a demanda social do profissional Psicólogo cresceu consideravelmente e, além das lutas corporativas pela ocupação de espaços institucionais e por área de atuação que marcaram a história da Psicologia no Brasil, o mercado de trabalho, passa por sensíveis alterações e, ao lado das consideradas "áreas tradicionais" configuram-se cada vez mais "áreas emergentes". As transformações em curso no panorama mundial e fatores como a globalização da economia e a velocidade com que são processadas as informações alteram a dinâmica das relações entre nações até as cotidianas relações interpessoais e mesmo intrapessoais, considerando-se as demandas individuais internas resultantes destes processos.

Na medida em que estas transformações econômicas e socio-culturais consolidam-se, delineia-se novas realidades, às quais as pessoas, de um modo geral, precisam aceitá-las ou criar condições para transformá-las considerando sua saúde e desenvolvimento e, estas questões, dizem respeito diretamente à função do Psicólogo na sociedade.


Uma destas novas realidades, no cenário mundial, é a formação de parcerias para enfrentar as crises econômicas e sociais resultantes de um processo político-histórico, e que de alguma forma promove alteração de toda ordem no dia-a-dia das pessoas .


  Na América Latina , tomando como base a união destas sociedades, surge o Mercosul. O Mercosul aparece como possibilidade de desenvolvimento e respeito para a América Latina e, neste espaço econômico e geográfico, o Brasil ocupa lugar de destaque e, especialmente no que nos diz respeito. Se tais mudanças apontam para uma expansão da área de atuação do Psicólogo, tanto no   aumento da procura aos serviços já tradicionais oferecidos pela Psicologia, como na construção de   novos espaços de atuação deste profissional ou ainda o intercâmbio da produção científica, torna-se inevitável e fundamental que a formação seja dinâmica, para que, quando o Psicólogo for solicitado a desenvolver determinada atividade, mostre competência nesta atividade, para se justificar e ampliar o mercado de trabalho.


 

Neste movimento de vaivém de necessidades sociais/ofertas e ações profissionais é que tem surgido às inquietações sobre a formação do Psicólogo.


  Daí, o currículo do curso de Psicologia, no que concerne à formação do psicólogo, necessitar traduzir um conjunto de valores, desempenhos e habilidades, capazes de promover uma capacitação básica para que o formando possa lidar com o "fenômeno psicológico colado à realidade social".

Desde 1975 até 2000 (com a criação do curso, com seu reconhecimento na    Licenciatura   26/06/1978 e autorização para funcionamento da habilitação dePsicólogo em 24/09/1979) a estrutura curricular   do curso   de Psicologia funcionou, sem sofrer significativas modificações estruturais no decorrer deste período. O currículo consistia de 10 semestres, com disciplinas que "oportunizavam" ao acadêmico duas habilitações: a Licenciatura Plena em Psicologia (8 semestres) e a Formação de Psicólogos (10 semestres). Neste período algumas mudanças parciais foram introduzidas nas práticas acadêmicas, de reorganização de programas, redistribuição de carga horária de ensino e do funcionamento das disciplinas.


  Enquanto não conquistávamos legalmente as novas diretrizes curriculares e com a convicção de que uma Universidade, um Curso, uma Formação, não se faz apenas com normas e regulamentos, mas principalmente com seu projeto e o espírito que está ao redor dele, é que buscamos mudanças mais efetivas no projeto pedagógico do curso a partir de 2000, por meio de:


  1. discussões dos documentos dos Conselhos Federais e Regionais de Psicologia;

  2. identificação das características do profissional que se pretende formar, norteada pelas diretrizes filosóficas e objetivos da UCDB;

3. de características essenciais e necessidades apontadas por alunos e professores;

4. de diretrizes Curriculares elaboradas pela Comissão de Especialistas em Ensino de Psicologia instituídas pelo MEC (Resolução nº8 de 7 de maio de 2004, publicado no DOU nº 94, de 18 de maio de 2004, seção 1, p. 16/17);

5. do contexto político-econômico de Mato Grosso do Sul.

As mudanças também visaram desenvolver valores, conhecimentos e ações na perspectiva do objeto da psicologia que se constitui ao mesmo tempo em que constrói a realidade. Daí destacamos o contexto social de Mato Grosso do Sul em seu referencial político - econômico de desenvolvimento que apontam conflitos geradores de necessidades sociais para a ação da Psicologia.


  Todos os levantamentos sinalizavam necessidades de mudanças profundas no nível estrutural de todos os cursos de graduação com ênfase para o de Psicologia.

 
2. Processo desencadeado


  Foram necessários vários ajustes na atual proposta curricular do curso de psicologia   face as demandas que foram sendo apresentadas pelas diretrizes curriculares. Neste sentido foi desencadeado alguns procedimentos, entre eles:

 

1- Adequação dos princípios e objetivos da formação;


2- Adequação do conteúdo curricular do curso, considerando as Diretrizes Curriculares elaborada pela Comissão de Especialistas em Ensino de Psicologia instituídas pela Ministério da Educação;


3- Atenção profunda às necessidades sociais e subjetivas: o envelhecimento da população,   a violência em suas mais diversas manifestações (urbana,   os suicídios, assassinatos, fenômeno das gang´s, acidentes de trânsito), exercício da cidadania comprometido; os excluídos não conhecendo seus direitos; crianças com ausência do convívio familiar; crianças com dificuldade   de sobrevivência por miséria; ausência de uma escolarização adequada em todos os níveis; professores não adequadamente preparados; sofrimento no trabalho (stress, doenças psicossomáticas, dependência química, absenteísmo, rotatividade, conflitos intra e interpessoais, inveja, competição, etc.); aliciamento de crianças/adolescentes para atividades ilícitas; a corrupção, a falta de compromisso com a coletividade,   etc.


  Implantamos algumas reformulações a partir do ano 2000 e novas estruturas foram se consolidando e, a partir do ano de 2007 foi atendida as demandas apontadas pelas diretrizes curriculares por meio da resolução nº8, de maio de 2007 e documentos da ABEP – Associação Brasileira de Ensino de Psicologia e Conselho Federal e Regionais em Psicologia.

Mesmo sendo considerado conceito “A” pela avaliação do MEC/SESu em 2000, as demandas sociais de Mato Grosso do Sul e do Brasil continuam apontando   carências científicas e de atendimentos populacionais abrangentes, o que mobiliza essa constante necessidade de ajustamento curricular a que o curso vem organizando.


  O nosso curso vem buscando, tanto na produção científica quanto na formação profissional, uma ampliação de seus serviços à população rompendo as dificuldades a que estão sujeitos como o desemprego, a exclusão e ausência de compromisso social.


  O Curso de Psicologia a Psicologia busca abranger uma formação acadêmica e de produção científica da Psicologia, adequada às necessidades de saúde da população de forma efetiva gerando respostas às necessidades sociais e inserção profissional da categoria nos diversos setores da sociedade, entre eles: Sistema Único de Saúde, Sistema Educacional, Sistemas Empresariais, Assistência Social compreendendo as esferas públicas e privadas.

Finalidade


O Curso de Psicologia da UCDB está voltado para o desenvolvimento humano e social através da formação de profissionais capacitados para o domínio instrumental e crítico dos elementos fundamentais da ciência psicológica. Voltada para vários tipos de intervenção que representam uma atuação para a prevenção e promoção da saúde e qualidade de vida. Para tanto o Curso de Psicologia, oferecido pela UCDB tem como fundamento os seguintes princípios:
 

PRINCÍPIO 1 - Propiciar a indissociabilidade entre o Ensino, a Pesquisa e a Extensão; caracterizado pela pesquisa no ensino e substituindo o ensino meramente reprodutivo e, consequentemente gerando e transformando conhecimentos a serviço da sociedade, e a extensão do ensino articulada com a pesquisa, inserida na realidade e respondendo a problemas concretos;

PRINCÍPIO 2 - Garantir o pluralismo teórico, pela dispersão que marca o campo da psicologia quanto às orientações teórico-metodológicas.   Buscar garantir acesso as diferentes e mais representativas abordagens, espaços para explicitar os seus pressupostos, sua concepção a respeito da psicologia, os métodos e categorias empregados para seu estudo, à vinculação entre o conhecimento e a prática social aprofundando as raízes históricas de cada disciplina.


PRINCÍPIO 3 - Pautar-se pela formação generalista e suficiente para o exercício profissional. Apóia-se no reconhecimento da necessidade de oferecer formação que permita o aprofundamento de conhecimentos e habilidades profissionais para atuar em distintos segmentos de mercado.
 

PRINCÍPIO 4 - Garantir a integração teórico-prática ao longo de todo o currículo, através de metodologias de ensino empregadas em sala de aula e vivências que colocam o aluno em contato com situações, contextos e experiências.


 

PRINCÍPIO 5 - Promover o compromisso ético em todas as disciplinas, como imagens do ser humano e do seu agir na cultura ocidental e ética nas diferentes situações do exercício acadêmico e profissional.


 

PRINCÍPIO 6 - Garantir a formação científica, reconhecendo à Psicologia como uma disciplina que produz conhecimento, bem como os aplica. Esta incluída à formação teórico-metodológica--prática, atravessando nas disciplinas e com projetos de pesquisa.


 

PRINCÍPIO 7 - Garantir o compromisso às problemáticas sociais, valorizando as disciplinas vinculadas às interfaces sociais, incentivando o uso de bibliografia nacional de boa qualidade, experiências acadêmicas que sensibilizam os alunos para a compreensão das questões sociais e práticas em diferentes instituições e contextos sócio-culturais diversos.
 

PRINCÍPIO 8 - Garantir uma formação interdisciplinar; pautando-se em situar a psicologia no conjunto de conhecimentos sobre o ser humano, através da compreensão da interação da Psicologia com as diferentes ciências. Para garantir a interdisciplinaridade, desenvolve-se “práticas integradas”. Estas atividades são dispositivos curriculares que colocam em contato diferentes disciplinas garantindo além da oportunidade de vivências interdisciplinares a consolidação de uma identidade profissional generalista, com pensamento crítico e reflexivo do acadêmico integrando diferentes conhecimentos, garantindo com isso um menor desgaste ao vivenciar práticas menos pulverizadas e melhor contextualizadas.


PRINCÍPIO 9 - Garantir formação para atuar em equipes multiprofissionais, promovendo o desenvolvimento de competência em aspectos intra e interprofissionais e de práticas inter e transculturais.
 
PRINCÍPIO 10 - Promover a construção da identidade profissional do psicólogo, através da implantação da política e pela valorização da presença e do papel do psicólogo na sociedade. São realizadas atividades que propiciam contatos com Psicólogos de diversas áreas e instituições da comunidade, como também, desenvolvimento de competências de atuação, inserção e intervenção adquiridas em práticas supervisionadas.

Objetivos


São objetivos da Formação de Psicólogos:

- Constituir competência profissional a fim de promover a saúde mental de todo ser humano de forma integral;

- Contribuir para uma transformação da realidade , colaborando com a discussão e implementação de uma política de saúde que seja justa e para todos;

- Integrar teoria e prática, perseguindo tanto um sólido rigor científico quanto uma vibrante sensibilidade para o social;

- Possuir um conhecimento básico das teorias e métodos da Psicologia, que o permita a compreensão e utilização adequadas, assim como a sua avaliação;

- Dimensionar a sua prática profissional na busca de colaboração com outros profissionais.

- Articular  espaço da Psicologia com os outros campos de produção de saber e de intervenção;

- Ser um profissional contextualizado e comprometido com o enfrentamento  da desigualdade e exclusão;

- Conhecer, praticar e promover os princípios éticos da sociedade ( constitucional e da profissão);

Momentos da formação do psicólogo na estrutura geral do curso 


NÚCLEO COMUM DA FORMACÃO DO PSICÓLOGO

Conjunto de atividades e disciplinas voltadas para desenvolver competências e habilidades que configuram a base comum da formação em Psicologia em todo o país e, portanto, fundamental para o desenvolvimento da identidade profissional.
 

ÊNFASES CURRICULARES

Conjunto de atividades e disciplinas que configuram as prioridades assumidas pela UCDB para a formação do psicólogo e que implicam na oferta de oportunidades de aprofundamento de algumas competências básicas da formação do psicólogo.

Eixos Estruturantes

 

Eixo 1 - Fundamentos Epistemológicos e Históricos da Psicologia,

 

Eixo 2 - Fundamentos Metodológicos

 

Eixo 3 - Interfaces da Psicologia com Campos Afins

 

Eixo 4 - Fenômenos e Processos Psicológicos

 

Eixo 5 - Procedimentos para Investigação e a Prática Profissional

 

Eixo 6 - Práticas Profissionais  


As Práticas profissionais é eixo articulador entre a teoria e prática proposta nesta estrutura curricular.

Neste processo formativo procura-se garantir ao máximo a indissociabilidade entre atividades de apropriação do conhecimento (ensino), construção do conhecimento (pesquisa) e aplicação do conhecimento (intervenção por meio de extensão universitária e estágios supervisionados).

Opiniões (4)

Professores:
Atendimento ao aluno:
Programa de Ensino:
Material:
  • Boa infraestrutura, grade curricular satisfatória e abrangente, corpo docente capacitado.

    Professores
    Atendimento ao aluno
    Programa de Ensino
    Material
    Instalações

    Professores

    Competentes e capacitados com ótimas bases teóricas e vivenciais.

    Atendimento ao aluno

    Programa de Ensino

    Material

    Recursos audiovisuais, satisfatórios.

    Instalações

    Boa.

    Por Josilayne Melo sobre Graduação em Psicologia - Junho 2011
  • O curso no geral é muito bom. Algumas coisas poderiam melhorar, como o insentivo ao aluno a fazer sua própria terapia e ter mais ênfase na parte prática de clínica , que só temos no último ano.

    Professores
    Atendimento ao aluno
    Programa de Ensino
    Material
    Instalações

    Professores

    Atendimento ao aluno

    Programa de Ensino

    Material

    Instalações

    Por Vanessa Klava sobre Graduação em Psicologia - Junho 2011
  • O curso me ajudou na carreira profissional e cumpriu minhas expectativas.

    Professores
    Atendimento ao aluno
    Programa de Ensino
    Material
    Instalações

    Professores

    Qualificados.

    Atendimento ao aluno

    Bom.

    Programa de Ensino

    Bom.

    Material

    Instalações

    Boa.

    Por Tatiane Tedesco sobre Graduação em Psicologia - Junho 2011
  • Curso muito bom.

    Professores
    Atendimento ao aluno
    Programa de Ensino
    Material
    Instalações

    Professores

    Atendimento ao aluno

    Programa de Ensino

    Material

    Instalações

    Por Rosimeyre Alves Rodrigues sobre Graduação em Psicologia - Julho 2011

Gostaria de saber mais sobre esse curso?

Últimas visitas ao cursoSolicitar informação à Instituição

Outro curso relacionado com Graduação de Psicologia - Todas: