Mestrado em Competências para o Trabalho

Solicite informação sem compromisso UNISUAM - Centro Universitário Augusto Motta

Para enviar a solicitaçao você deve aceitar a Política de Privacidade

Comentários sobre Mestrado em Competências para o Trabalho - Presencial - Rio de Janeiro Capital - Rio de Janeiro

  • Titulação
    Mestre em Competências para o Trabalho
  • Conteúdo
    DISCIPLINAS DO CURSO
    CONTEXTO EMPRESARIAL BRASILEIRO OBJETIVOS: Identificar, descrever e compreender a infra-estrutura empresarial brasileira. Compreender o conjunto de leis que regem a atividade científica e tecnológica no Brasil. Conhecer as fontes de financiamento para a implantação ou expansão de micro-empreendimentos ou de pequenos negócios. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Organização do Estado. Noções do Processo Legislativo. A Hierarquia das Leis. Organização da C&T&I no Brasil: Programas Governamentais em C&T&I e Orçamento Público. Ementário de Leis e decretos em C&T&I. Leis de Incentivos Fiscais (tecnológica, cultural, esportiva e outras). Leis de Regulamentação da C&T&I. Leis de incentivo fiscal e sua utilização nos empreendimentos de base tecnológica. Simulação do cálculo de benefícios advindos da utilização dessas leis de fomento. Elaboração de Trabalho sobre o Assunto. Experiência Internacional de Incentivo à Inovação Tecnológica. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia AMARO, Luciano da S. Direito Tributário Brasileiro. São Paulo: saraiva. 2002. FABRETTI, Láudio Camargo. Código Tributário Nacional comentado. São Paulo : Atlas, 2001. DENARI, Zelmo. Curso de Direito Tributário. Atlas 2002. RUSSO, Francisco; Oliveira, Nelson de. Manual Prático de Constituição de Empresas. São Paulo: Atlas, 2004 SANTOS, Edno Oliveira. Administração Financeira de Pequena e Média Empresa. São Paulo, Atlas, 2001. DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NO ESPORTE E LAZER OBJETIVO: Desenvolver, de modo incremental, diagnósticos e programas de formação de competências para a gestão de programas de esporte para crianças e jovens. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Seminário de leitura: seleção de textos teóricos e metodológicos sobre os programas. Levantamento das propostas e leitura crítica. Entrevista com os gestores e participantes dos programas. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BORGES, C. N. F. (2005) Um só coração e uma só alma, as influências da ética romântica na intervenção educativa salesiana e o papel das atividades corporais, Tese de doutorado, UGF. BRASÍLIA. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998 COSTA, C.P., (2000) Efeitos inesperados da análise de uma experiência de ações complementares à escola. Dissertação de mestrado, UGF. DANISH, S. J. & NELLEN, V. C (1997) ?New roles for sport psychologists: teaching live skills through sport to at-risk youth.? Quest, 49, 100-113, GOMES, M., (1994) No crú é que estão as proteínas, Dissertação de mestrado, UGF. LOVISOLO, H.----------------- (1993) Engenharia escolar: motivação e autonomia, in Ciência Hoje, vol.16, n.91, junho. ----------------- (1995) Educação física: a arte da mediação, Rio de Janeiro, Ed. Sprint. ----------------- (1997) Estética, esporte e educação física, Rio de Janeiro, Ed. Sprint. ___________. Mediação: esporte rendimento e esporte da escola. Revista Movimento, Porto Alegre, Revista Movimento, Ano VIII , Nº 15, 2001. PAIVA, V. ?Violência e pobreza: a educação dos pobres ?. In: ZALUAR A (org.). Violência e educação. São Paulo, Livros do Tatu / Cortez, p.65-102, 1992. SOARES, C., (1998) Imagens da educação no corpo, Campinas, Ed. Autores Associados. VIANNA, J. A. (1999).A ocupação do tempo livre das camadas populares: uma investigação com crianças e jovens da ?Cidade de Deus?- RJ, Motus Corporis, Rio de Janeiro, vol. 6, n. 2, p. 15-26, novembro, VIANNA, J. A.Educação física, esporte e lazer para as camadas populares: a representação social dos seus atores. Anais do XII CONBRACE,- Caxambu, 2003. ZALUAR, A. A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. Rio de Janeiro, Brasiliense, 1985. ---------------- Cidadãos não vão ao paraíso: juventude e política social. Rio de Janeiro, Escuta, 1994. EDUCAÇÃO, CULTURA E CAPACITAÇÃO PARA O TRABALHO OBJETIVO GERAL: Estudar a relação entre a formação do trabalhador, a cultura e as políticas de educação tentando compreender as características da mão-de-obra brasileira e as especificidades culturais dos processos de formação formais e alternativos. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Educação e cultura. Políticas públicas de formação de mão-de-obra. Estratégias alternativas de capacitação profissional. Economia informal e capacitação de mão-de-obra. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BRANDÃO, C. R. Em campo aberto. Escritos sobre educação e cultura popular. São Paulo: Cortez, 1995. CAMPOS, R. A luta dos trabalhadores pela escola. São Paulo: Loyola, 2001. PAUGAM, S. Desqualificação social: ensaio sobre a nova pobreza. São Paulo: EDUC/ Cortez, 2003. DENIPOTI, C. Saberes brasileiros. Ensaios sobre identidades ? Séculos XVI a XX. São Paulo: Bertrand Brasil, 2004. GUSMÃO, N. M. M. Diversidade cultural e educação. Olhares cruzados. São Paulo: Biruta, 2003. HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. HENRIQUES, R. (org.) Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000. ROMANELLI, O. História de educação no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. VIDAL, D. G. & HILSDORF, M. L. S. Brasil 500 anos. Tópicos em história da educação. São Paulo: EDUSP, 2000. EMPREENDEDORISMO OBJETIVOS: Exercer a gestão de empreendimentos através do conhecimento e aplicação de atitudes empreendedoras e de ferramentas da administração de negócios. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Empreendedorismo e oportunidades. Paradigma e Modelos Mentais. Criatividade. Comunicação. Trabalho de Equipe. Visão de Futuro. Metas. Diferentes definições do conceito de Empreendedorismo. A Importância do Empreendedor na Organização: Preocupação das empresas com o meio externo, a necessidade de se manter atualizada; Competência do Empreendedor; Necessidade de Inovar. Vantagens em empreender: Inovação; Pioneirismo; Liderança; Assimilação Marca/Produto; Valorização da Empresa. Desvantagens em empreender: Má utilização da Informação; Má utilização dos Recursos; Não aceitação de idéias pelo mercado; Aumento de custos. O mercado. Planejamento financeiro. Plano de negócios. Financiamento e orientação para o crédito e micro-crédito. Obrigatória:Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo. Rio de Janeiro: Saraiva, 2004. DORNELAS, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo - Transformando Idéias em Negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2001. DOLABELA, Fernando ? Oficina do Empreendedor. São Paulo: Cultura, 1999. BERNARDI, Luiz A. Manual de Empreendedorismo e Gestão - Fundamentos, Estratégias e Dinâmicas. Rio de Janeiro: Atlas, 2003. HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael P. Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2003. DOLABELA, Fernando. Empreendedorismo - A Viagem do Sonho - Fazendo Acontecer. Rio de Janeiro: Campus, 2000. DOLABELA, Fernando. Empreendedorismo - Uma Forma de Ser - Prazer em Conhecer. DORNELAS, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo Corporativo. Rio de Janeiro: Campus. FROES, César; MELO NETO, Francisco Paulo de. Empreendedorismo Social. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. Harvard Business Review Book. Empreendedorismo e Estratégia. São Pulo: Campus, 2004. LODISH, Leonard. Empreendedorismo e Marketing. Rio de Janeiro: Campus, 2003. PELLMAN, Ron; PINCHOT, Gifford. Intra - Empreendedorismo na Prática - Um Guia de Inovação. Rio de Janeiro: Campus, 2002. FARMACOLOGIA DE PRODUTOS NATURAIS OBJETIVOS: Despertar no aluno o interesse para o estudo dos recursos naturais como importante fonte de medicamentos e a importância de seu uso racional na pesquisa. Propiciar conhecimentos importantes sobre os aspectos farmacológicos e toxicológicos de grupos de metabólitos secundários e espécies vegetais. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Plantas medicinais, substâncias bioativas, fitoquímica, atividade farmacológica, estudos toxicológicos, modelos experimentais. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia COSTA, A. Farmacognosia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987. NEWALL, C.A., ANDERSON, L.A., PHILLIPSON, J.D. Fitoterapia ? Guia para profissional de saúde (2002). Editorial Premier, São Paulo-SP. ROBBERS, J.E., SPEEDIE, M.K., TYLER, V.E. Farmacognosia e Farmacobiotecnologia, São Paulo: Editorial Premier, 1997. SIMÕES, C.M.O.; SCHENKEL, E.P.; GOSMAN, G.; MELLO, J.C.P.DE; MENTZ, L.A.; PETROVICK, P.R. Farmacognosia ? Da planta ao medicamento. 4 ed. Santa Catarina/ Rio Grande do Sul: Editora UFSC/UFRS, 2004. SCHULZ, V., HÄNSEL, R., TYLER, V.E. Fitoterapia racional ? Um guia de fitoterapia para as ciências da saúde (2002), Manole, Barueri-SP. SCHVARTSMAN, S. Plantas venenosas e animais peçonhentos (1992). Editora Sarvier, São Paulo- SP. WHO. Quality control methods for medicinal plants materials (1992). Geneva. FORMAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO E DO TRABALHADOR NO BRASIL OBJETIVO: Estudar o processo de formação das condições e relações de trabalho e a formação sócio-cultural da mão-de-obra em atividade, para compreender suas características, definir demandas reprimidas e potencialidades. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O trabalho no Brasil colonial. Os Jesuítas e a organização coletiva do processo de produção. O trabalho no Império. A nação brasileira. A industrialização. Economias periféricas e processo de desenvolvimento. Democracia e relações de trabalho. Flexibilização do processo de trabalho e Terceiro Setor. Educação e trabalho no Brasil contemporâneo. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BOURDIEU, P. As estruturas sociais da economia. Lisboa: Inst. Piaget, 2001. FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1977. FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia da Letras, 2007. HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. KOWARICK, L. Trabalho e vadiagem. A origem do trabalho livre no Brasil. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1994. ROMANELLI, O. História de educação no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. SALVO, M. & PORTO JUNIOR, S. S. Uma nova relação entre Estado, sociedade e economia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004. SANTOS, B. S. (org.) Globalização, fatalidade ou utopia? Porto: Edições Afrontamento, 2001. SOJ, B. A nova sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 2000. TODARO, M. Introdução a economia. Uma visão para o 3º mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1981. VIDAL, D. G. & HILSDORF, M. L. S. Brasil 500 anos. Tópicos em história da educação. São Paulo: EDUSP, 2000. WEINSTEIN, B. (Re)Formação da classe trabalhadora no Brasil (1920-1964). São Paulo: Cortez, 2000. GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS OBJETIVO: Fomar pessoas capazes de pesquiSar, analisar e elaborar um modelo competitivo de gestão de pessoas que englobe as políticas, práticas e processos de gestão do conhecimento empresarial adequados à era da competitividade. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: A gestão de pessoas no Brasil. A cultura brasileira e a evolução histórica da gestão. O desafio das empresas modernas. O conceito do modelo de gestão de pessoas. A gestão de pessoas por competências. O indivíduo, o talento, a equipe e a cultura. A gestão do desempenho. A gestão de competências organizacionais. A equipe de trabalho, o desenho do trabalho, o treinamento, a motivação, a liderança e a avaliação. Ferramentas computacionais para a gestão de pessoas. Gestão do desenolvimento e da carreira por competências. Apredizagem e gestão do conhecimento. Remuneração em função da gestão do conhecimento. As consequencias da gestão de pessoas por competências no mundo do trabalho. Obrigatória: Sim Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia COBRA, Nuno. A semente da vitória. 7a ed. São Paulo: SENAC, 2001. DUTRA, Joel de Souza. Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente, 2001. CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando pessoas: como transformar os gerentes em gestores de pessoas, 4a ed. São Paulo: PRENTICE HALL, 2002. CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas, O novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus,1999. TANURI, B. et al. A gestão de pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: ELSEVIER, 2007. PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G. Competing for the future. Harvard Business School Press, 1984. LEVINE, E. One Kid at a Time. New York: Teachers College Press, 2002. CHOWDHURY. A Era do Talento ? Obtendo Alto Retorno sobre o Talento. São Paulo: Person Education,2003. PRAHALAD, C. K. , A Riqueza na Base da Pirâmide: como erradicar a pobreza com o lucro. Porto Alegre: Bookman, 2005. CHIAVENATO, I. Administração nos Novos Tempos ? Segunda Edição, Totalmente Revista e Atualizada. Rio de Janeiro: Campus, 2004. DE MASI, D. O Futuro do Trabalho ? Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-industrial. 3ª edição, Rio de Janeiro: José Olympio, DF: Ed. Da UnB, 2000. GRAMIGNA, R. M. Modelo de Competências e Gestão dos Talentos. São Paulo, MAKRON Books, 2002. Sim 2.0 METODOLOGIA DA PESQUISA QUALITATIVA OBJETIVOS: Elaborar um projeto próprio de pesquisa e familiarizar-se com a lógica conceitual tanto da análise qualitativa, assim como com os recursos metodológicos básicos. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: As etapas de uma pesquisa. O levantamento do estado da arte. Os trabalhos de síntese. Os fichamentos. As referências bibliográficas. As citações. Os tópicos para a elaboração de trabalhos científicos. Métodos Qualitativos: A pesquisa bibliográfica. Análise documental, análise de conteúdo e análise do discurso. O estudo de caso. A estratégia de triangulação. Elaboração do quadro conceitual. Formulação das questões de pesquisa. Amostragem: delimitação da coleta de dados. Análise durante a coleta de dados. Análise de casos. A elaboração de uma Dissertação. A elaboração de uma Dissertação. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BASTOS, R. Os cientistas precisam escrever: guia de redação para cientistas, engenheiros, estudantes. 2 ª ed. SP: T. A. Queiroz Editor, 1986. MOURA, Maria Lúcia Seidl, FERREIRA, Maria Cristina & PAINE, Patrícia Ann. Manual de Elaboração de Projetos de Pesquisa. RJ: Ed. Uerj, 1998. SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 6 ª ed. SP: Martins Fontes, 1999. RUIZ, João Álvaro. Metodologia científica: guia para a eficiência nos estudos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002. CARNEIRO, Agostinho Dias. Redação em construção. 21. ed. São Paulo: Moderna, 2002 Bibliografia complementar: ALVES, Rubem. Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e suas regras. 15 ª ed. SP: Brasiliense, 1992. ECO, Humberto. Como se faz uma tese. 15 ª ed. SP: Perspectiva, 2000. GALLIANO. O método científico. Teoria e prática. SP: Harbra, 1986. KUHN, Tomas S. A estrutura das revoluções científicas. SP: Perspectiva, 1997. VIEIRA, Marcelo Milano Falcão E ZOUAIN, Deborah Moraes. Pesquisa Qualitativa em Administração - Teoria ePrática. Editora: ED. FGV. ISBN: 8522505306. 240 p, 2005. REY, Fernando González. Pesquisa Qualitativa e Subjetividade - Os Processos de Construção da Informação. Ed. Thomson. ISBN: 8522104778. 222 p. 2005. LEFÈVRE, Fernando e LEFÈVRE, Ana Maria Cavalcanti.O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Porto Alegre; EDUCS;(Coleção Diálogos).ISBN: 85-7061-246. 256p. 2003. WOSZCZYNCKI, Amy B.e WHITMAN, Michael E. The Handbook of Information Systems Research. Idea Group Publishing, 2003. METODOLOGIA DA PESQUISA QUANTITATIVA OBJETIVOS Elaborar um projeto próprio de pesquisa e familiarizar-se com a lógica conceitual tanto da análise quantitativa, assim como com os recursos metodológicos básicos. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO As etapas de uma pesquisa. O levantamento do estado da arte. Os trabalhos de síntese. Os fichamentos. As referências bibliográficas. As citações. Os tópicos para a elaboração de trabalhos científicos. Métodos Quantitativos: Inferência e predição. Verificação experimental de hipóteses. Métodos paramétricos. Análise de variância. Estatística não-paramétrica ? amostras relacionadas, amostras independentes, medidas de correlação e provas de significância. Qui-quadrado e outros testes não-paramétricos. Correlação. Métodos de análise multivariada em ciências da atividade física. Diferentes técnicas de análise multivariada. A utilização de softwares com métodos de análise multivariada. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BARRAS, L. Da Rocha et al. Manual para elaboração de projetos de pesquisa. 5 ª ed. RJ: Editora UFRJ, 2000. GIL, A Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ª ed. SP: Atlas, 2001. MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: prática de fichamentos, resumos, Resenhas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. GALLIANO. O método científico. Teoria e prática. SP: Harbra, 1986. JAPIASSU, Hilton. O mito da neutralidade científica. RJ: Imago, 1975. RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica.30 ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22.ed.ver e ampl. De acordo com a ABNT- São Paulo; Cortez, 2002. SLEIGHT, Steve. Como usar a tecnologia da informação. SP: Publifolha, 2000. THUILLIER, P. De Arquimedes a Einstein. A face oculta da invenção científica. RJ: Zahar, 1994. MODELO DE COMPETÊNCIAS OBJETIVOS: Compreender a utilização do modelo de competências em diferentes contextos. Aplicar os princípíos do modelo de competências para o trabalho, de forma a identificar talentos e avaliar níveis de desempenho. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICO: O Modelo de Competências: o que é, porque usar e como usar? Tipos de negócios que podem adotar o modelo de competências. A translação da teoria para a prática. Como o modelo de competências pode melhorar a gestão de pessoas. Benefícios do uso do modelo de competências nos processos de seleção, trenamento, desenvolvimento e avaliação de pessoas. O passo a passo para a implementação do modelo: planejamento, metas e padrões e plano de ação, piloto, validação e formulação final. Identificando pessoas, níveis de desempenho e talentos. Obrigatória:Sim Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia LUCIA, A. D.; LEPSINGER. R. The Art and Science of Competency Models: Pinpointing Critical Success Factors in Organizations. New York:Hardcover,1999. SANGHI, S. The Handbook of Competency Mapping: Understanding, Designing and Implementing Competency Models in Organizations. New York: Paperback, 2003. MODELO DE GESTÃO DE COMPETÊNCIA PARA O ESPORTE PROFISSIONAL OBJETIVOS: Identificar e compreender os modelos de gestão esportiva no Brasil e em outras partes do mundo, tecendo relações com a prática profissional e o desenvolvimento esportivo a partir de uma intervenção ética e de responsabilidade. Compreender e avaliar criticamente o papel da gestão esportiva profissional, separando-a do período amador. Conhecer as concepções teóricas acerca da intervenção profissional, avaliando os casos de sucesso na gestão profissional dentro do esporte. Pesquisar, organizar e aplicar os conhecimentos de gestão esportiva em áreas do primeiro, segundo e terceiro setor da economia brasileira que mantém o esporte como elemento principal de suas atividades. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Teorias e conceitos da gestão esportiva. Gestão esportiva: questões teóricas. Amadorismo. Etapas da profissionalização. Midiatização. Esporte e contexto sócio-político.Esporte e regimes políticos. Esporte e democratização. Esporte e transparência administrativa. Legado esportivo e competência profissional. O mobiliário esportivo e as cidades. Eventos e mega-eventos. Voluntariado e turismo. Obrigatória:Não Carga Horária: 30 Créditos: 2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia CAPINUSSÚ, J. M. Administração Desportiva Moderna. Ed. IBRASA, São Paulo, 2002. PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTRUCIONAL OBJETIVO: Compreender, analisar e elaborar materiais instrucionais que contenham os padrões de competências necessárias ao exercício de uma determinada profissão. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: O que é material instrucional? Descrição do material instrucional. Seus componentes, sua aplicabilidade e seus benefícios. Componentes do material instrucional. Lista de atividades e tarefas, currículo e testes de competência educacioanal. O sistema de desenvolvimento do material instrucional. Identificação das necessidades de treinamento. Análise da ocupação de trabalho. Definição dos objetivos. Desenvolvimento dos instrumentos de avaliação. Determinação das estratégias instrucionalis,.Desenvolvimento do material instrucional. Aplicação e avaliação do currículo e revisão. Obrigatória: Sim Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BLOOM, B. S (org).Taxonomy of educational objectives: handbook I, Cognitive Domain. New York:David McKay, 1956. DUTRA, S. J. Gestão de Pessoas ? Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas. São Paulo, Atlas S.A, 2002. GAGNÉ, R. M. The conditions of learning and theory of instruction. New York: Holt, Rinehart & Winston, 1985. HARROW, A. J. A taxonomy of the psychomotor Domain. New York: David McKay, 1972. PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. PRODUTOS NATURAIS OBJETIVOS: Formação de recursos humanos em produtos naturais biologicamente ativos, dentro de um processo no qual a capacitação do pós-graduando encontra-se fortemente associada à geração de novos conhecimentos e tecnologias voltadas à solução de problemas de nossa população nos aspectos saúde e nutrição. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Histórico da utilização e origem dos produtos naturais; Princípios utilizados para a obtenção de produtos naturais; Aspectos legais acerca da utilização de produtos naturais no Brasil; Abordagem biotecnológica para a obtenção de substâncias ativas a partir de produtos naturais; Desenvolvimento de medicamentos a partir de produtos naturais; Avaliação da qualidade de produtos naturais; Aplicações terapêuticas de produtos naturais Princípios toxicológicos de produtos naturais. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia GOODMAN &. GILMAN. As Bases Farmacológicas da Terapêutica. Editora McGraw-Hill, 10 ed. 2001. ROBBERS, J.E., SPEEDIE, M.K., TYLER, V.E. Farmacognosia e Farmacobiotecnologia, São Paulo: Editorial Premier, 1997. Simões, Guerra et.al. Farmacognosia: da Planta ao Medicamento. 5.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. NEWALL, C.A., ANDERSON, L.A., PHILLIPSON, J.D. Fitoterapia ? Guia para profissional de saúde. Editorial Premier, São Paulo-SP. 2002. WHO. Quality control methods for medicinal plants materials (1992). Geneva. SEMINÁRIO DE APROFUNDAMENTO TEMÁTICO OBJETIVOS: Discutir o processo de elaboração do projeto de pesquisa para o exame de qualificação; Desenvolver a redação dos elementos constitutivos do projeto de pesquisa, de modo a implementar o processo de coleta e análise dos dados. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Abordagem geral e coletiva da produção da dissertação através do debate dos projetos de pesquisa dos alunos. Enfoque no desenvolvimento e estruturação da versão final do projeto com leituras dirigidas nas áreas temáticas das pesquisas. Acompanhamento metodológico incluindo aulas complementares em métodos e técnicas pelo conjunto dos professores. Obrigatória:Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia BOOTH,W.C et al. A arte da pesquisa. Martins Fontes: São Paulo, 2000. BASTOS, Lilia R. et al. Manual para elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, teses, dissertações. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. Cortez: São Paulo, 1991. RAYMOND, Q. & CAMPENHOUDT, L.V. Manual de Investigação em Ciências Sociais. Gradiva: Lisboa, 2003. MARCONI, Marina de Andrade & LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. Atlas: São Paulo, 1988. MENGA, L. & ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. E.P.U: São Paulo, 1986. MINAYO, M. C. N.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/Abrasco, 1998. ___________, M. C. N.S. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. Vozes: Petrópolis, 1998. SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. Cortez: São Paulo, 1989. THOMAS, R. J. & Nelson, J. K. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. Artmed: Porto Alegre, 2002. VOTRE, Sebastião, MOURÃO, Ludmila & NETO, F. Amarílio. Pesquisa em educação física. UFES: Espírito Santo, 1993. PRAHALAD, C. A riqueza na base da pirâmidade Prahalad. Rio de Janeiro: Editora Bookman, 2006. SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO: Elaborar o texto final a ser apresentado na defesa pública da dissertação de mestrado, apresentando todos os capítulos necessários, de modo a efetuar uma análise dos dados coletados e a conclusão. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Abordagem individual da produção da dissertação através de debates dos projetos de pesquisa dos alunos. Enfoque no desenvolvimento e estruturação da versão final da dissertação com leituras dirigidas nas áreas temáticas das pesquisas. Acompanhamento metodológico incluindo aulas complementares em métodos e técnicas pelo conjunto dos professores. Obrigatória: Sim Carga Horária: 80 Créditos:6.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO TEORIA ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS: Analisar e compreender o fenômeno do desenvolvimento de modo a construir uma visão crítica do estágio de nossa sociedade e contribuir para uma melhoria permanente da qualidade de vida dos cidadãos. Entender o conceito de desenvolvimento econômico e seu enfoque atual. Distinguir historicamente o processo nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Realizar análises comparativas de dados econômicos. Comparar o processo atual de desenvolvimento entre distintos países. Avaliar criticamente o desenvolvimento econômico de nosso país. Avaliar os impactos ocasionados pelas mudanças de paradigma inerentes às transformações das sociedades. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Conceito de desenvolvimento econômico e seu enfoque atual. O processo histórico do desenvolvimeento econômico em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Análises comparativas de dados econômicos. O processo atual de desenvolvimento entre distintos países. O desenvolvimento econômico brasileiro. Impactos ocasionados pelas mudanças de paradigma inerentes às transformações das sociedades. Obrigatória:Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001. LEITE, Pedro Sisnando. Novo enfoque do desenvolvimento econômico e as teorias convencionais. Fortaleza: Universidade Federal do Ceara. Fortaleza,1983. SOUZA, Nali de Jesus de. Desenvolvimento econômico. São Paulo: Atlas. 2005. TEORIA GERAL DA CAPACITAÇÃO POR COMPETÊNCIAS OBJETIVO: Propiciar a apropriação conceitual, metodológica e instrumental das teorias e modelos da capacitação por competências dando ênfase especial às denominadas competências essenciais. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: O processo de globalização, o desenvolvimento local e as mudanças na esfera do trabalho. Os impactos e respostas no campo da educação, da capacitação de pessoas e nos processos de conhecimentos, consenso e inovação. A contraposição entre o modelo de especialização e modelo das competências. Dimensões centrais e recorrentes na formulação das competências (conhecimento, habilidades e atitudes). Ferramentas computacionais para formulação e gestão de modelos de competências Os modelos de competência e as singularidades e peculiaridades do contexto brasileiro: cultura, educação e legislação. Obrigatória: Sim Carga Horária: 60 Créditos: 4.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia ETZKOWITZ, H. Reconstrução criativa: hélice tripla e inovação regional. In: Inteligência Empresarial, n. 23. Rio de Janeiro: CRIE/COPPE/UFRJ, 2005, p. 2-13. PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. JANG, S.; KIM, N. Transition from high school to higher education and work in Korea, from the competency-based education perspective. New York, 2004. FUSFELD, I. H. Industry?s Future ? Changing Patterns of Industrial Research. Washington, DC, American Chemical Society, 1994. VIGILÂNCIA EM SAÚDE OBJETIVOS: A disciplina tem por objetivo capacitar o aluno a adquirir habilidades para o trabalho com base no desenvolvimento de competências na área de vigilância em saúde. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Agravos, riscos e danos. Problemas regionais: endemias e epidemias. Estudos epidemiológicos. Informação em saúde, sistemas de informação e o uso da informação na UBS. Planejamento, gestão e gerência em saúde. Sistemas de avaliação e monitoramento. Principais endemias. Obrigatória: Não Carga Horária: 30 Créditos:2.0 Área(s) de Concentração: DESENVOLVIMENTO E TRABALHO Bibliografia EIZIRIK, C. L; KAPCZINSKI, F.; BASSOLS, A. M. S; O Ciclo De Vida Humana: Uma Perspectiva Psicodinâmica. Porto Alegre, Artmed, 2001. POLAK, Y.N.S., KALEGARI, D.R.G., JOUGLAS, V.M.G. (org). Saúde do adulto: um enfoque multiprofissional. Curitiba: Pinha, 1997. SANTANA, J. P. (org). Organização do cuidado a partir de problemas: UmaAlternativa Metodológica para Atuação da Equipe de Saúde da Família. Organização Pan-americana da Saúde - Representação do Brasil, 2000. BRASIL, Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica, 1998. FERREIRA, S.M.G. Sistemas de Informação em Saúde. In Gestão Municipal de Saúde. Textos básicos. Ministério da Saúde, 2001.

Outro curso relacionado com Relações Trabalhistas

Utilizamos cookies para melhorar nossos serviços.
Se continuar navegando, aceita o seu uso.
Ver mais  |